Arquivo do mês de Junho, 2011

A ler jornais

Quarta-feira, 29 de Junho, 2011

Não é método de avaliação de um comportamento social deduzir a partir do que vemos uma regularidade. Se assim fosse, diríamos que os turcos lêem muito, pelo menos, lêem muito jornais: às portas das lojas, nos jardins, nas bancas dos bazares, nos cafés, nos mercados de rua vemos turcos embrenhados na leitura de jornais enquanto esperam clientes, no intervalo do almoço, quando esperam pelo transporte, enquanto viajam nos ferries.

Muhenna Kahveci, fotojornalista que connosco organizou a exposição Istambul, Lisboa – Roteiros da Melancolia (ver post “Melancolias expostas” em Feveereiro 2011) proporcionou-nos uma visita ao jornal onde desenvolve a sua actividade, o jornal Zaman que este ano comemora 25 anos de existência. Confessamos a nossa surpresa ao depararmo-nos com um edifício moderno de oito andares, com uma arquitectura que um museu de arte contemporânea de qualquer parte do mundo não desdenharia.


Em seis andares, trabalham 14 fotojornalistas e 80 jornalistas (50% são mulheres). Cerca de 600 pessoas estão envolvidas na coordenação editorial, nas outras fases da edição, na ilustração e design, na gestão dos recursos humanos, na área comercial e administrativa. (cerca de 40% são mulheres).
São publicadas duas edições, uma de manhã e outra ao início da tarde, saindo para as ruas um total de 5 milhões de exemplares do Zaman.

Visitámos o centro de impressão no edifício que produz 250 000 cópias diárias dirigidas para a cidade de Istambul e zonas vizinhas. Para além deste centro de impressão, há mais cinco noutras cidades turcas que imprimem jornais que integram as realidades regionais. Para além do jornal, o grupo publica livros, sobretudo de política e de ficção. A ciência e a cultura são menos populares.


Há uma edição em inglês, Today’s Zaman, com uma tiragem de perto de 7000 exemplares. A edição do jornal on line – Today’s Zaman – é sobretudo muito lida no estrangeiro podendo ser consultada AQUI

A visita a este jornal que ocupa uma posição cimeira na imprensa escrita turca e o conhecimento da tiragem de muitos jornais que se publicam na Turquia reforçou a nossa impressão inicial. Mas vamos procurar mais informação para fundamentar a afirmação: os turcos lêem muito jornais!

Istambul dá-nos música!

Quinta-feira, 16 de Junho, 2011

A quantidade de festivais de música e a diversidade das suas expressões tornam Istambul uma das capitais da música nos meses de Junho e Julho. De entre as várias propostas destacamos apenas três: o Festival Internacional de Música de Istambul, o Festival Internacional de Tango e o Festival Internacional de Jazz. Mas há mais, muito mais. Decididamente: Istambul dá-nos música!

Festival Internacional de Música de Istambul


Os amantes da música clássica reconhecem a importância deste festival que se realiza desde 1973, organizado pela Fundação de Istambul para a Cultura e Artes. Ao longo dos 39 anos passaram pelos palcos de Istambul as mais famosas orquestras de todo o mundo.
Este ano, estão envolvidos mais de 500 artistas numa edição que decorre de 4 a 29 de Junho em vários locais: teatros, museus, mesquitas e também no Palácio Topkapi. O programa pode ser consultado AQUI

Festival Internacional de Tango

Já vai na 8ª edição o Festival Internacional de Tango de Istambul. Este ano, duas orquestras e seis DJs animarão sessões e milongas entre os dias 6 e 10 de Julho.
O filme de promoção que pode ver AQUI combina imagens da cidade com os arrebatados passos da dança sul-americana. “Let’s dance where the civilisations dance” é o slogan do festival.

Festival Internacional de Jazz

Este ano o festival começa com um tributo a Miles Davis por um quinteto que envolve verdadeiras lendas do jazz: Herbie Hancock no piano, Wayne Shorter no saxofone, Marcus Miller, Sean Jones no trompete e Sean Rickman na bateria.
Ao longo de quase 20 dias – de 1 a 19 de Julho – desfilarão pelos vários palcos desde as expressões mais clássicas do jazz aos projectos mais inovadores. No último dia é a vez de Paul Simon que canta pela primeira vez em Istambul. Para além dos êxitos mais conhecidos da sua carreira, com certeza que se ouvirão músicas do álbum So Beautiful or So What editado na Primavera.

O programa do festival pode ser consultado AQUI

Chapéus há muitos!

Segunda-feira, 6 de Junho, 2011

O artista no filme “A Canção de Lisboa” gritava: Chapéus há muitos! … mas em Istambul há mais e mais bonitos.

Num passeio nocturno ficámos pasmados ao ver no interior de uma loja uma enorme parede coberta de espantosos chapéus: o feltro de todas as cores transformava-se nas mais extraordinárias formas que convocavam criaturas como o polvo, o gato, flores, cogumelos e também formas mecânicas, e duendes e estrelas e …

Foi em 1996 que Seref Ozen e Mustafa Gokhan Demir decidiram alargar o âmbito do seu negócio tradicional – tapetes e tecidos da Ásia Central, do Irão e da Anatólia – e avançaram na área do design e da moda.

Inspirados nos chapéus otomanos, desenvolveram uma versão moderna e ousada propondo aos feltros coloridos formas e feitios novos e arrojados. Para além da loja no Arasta Bazar (nº 93), têm uma pequeno espaço no Grande Bazar (Halicilar Cad # 38 ) que valem bem uma visita.


O feltro é um dos mais antigos tecidos produzidos pela humanidade (pensa-se que terá mais de 8 000 anos) e que, para além da resistente e óptimo conservador de calor, tem a vantagem de não desfiar quando cortado. É com este material que, permitindo tintos de vários matizes, para além dos chapéus se produzem artesanalmente carteiras, pulseiras, colares, brincos, alfinetes e até enfeites para árvores de Natal e outras alegrias.

Não resistimos e, para além de pequenas prendas para amigos, trouxemos um chapéu. Confessamos que não tivemos coragem de o usar na cabeça, mas numa estante brilha como objecto decorativo. Chapéus há muitos mas este é sem dúvida um dos mais bonitos.