Com os pés no lado asiático de Istambul

 

Geralmente, a maior parte dos viajantes que visitam Istambul ficam fascinados pelo lado europeu da cidade limitando-se apenas ao avistamento do lado asiático que brilha ao longe iluminado pelos reflexos do Mar de Mármara.  Quem não põe os pés na outra banda não sabe o que perde!

A viagem de ferry  dura 20 minutos e vale por si: Istambul que se afasta, os contentores e guindastes do porto do lado asiático animam-se com os mergulhões, as gaivotas perseguem o pão atirado dos decks, os vapurs navegam em todas as direções …

É com alguma emoção que se pisa a antiga península da Anatólia que conhecemos da História. Os vestígios da fixação humana são mais antigos do que de qualquer parte da Europa. A primeira cidade grega (Calcedónia, atualmente Kadikoy) foi fundada em 675 aC, dezassete anos antes de Bizâncio. Não há muitos vestígios do passado porque devido à situação geográfica esta zona foi devastada por guerras frequentes.

Saímos no porto de Kadikoy que, juntamente com Uskudar, é uma das zonas mais desenvolvidas e com intensa atividade comercial. Desde cedo, na viagem de ferry, vemos um edifício imponente, a estação de Haydarpasa, que parece “deslocado” do ambiente: o estilo é neo-clássico, obra dos arquitetos alemães Otto Ritter e Helmut Conu que foi oferecido pelo imperador alemão Wihelm (1909).

A zona junto à estação tem pouco edificado porque grande parte pertence ao exército. Numa das alas de um dos quartéis, há um museu dedicado a Florence Nightingale que só pode ser visitado com marcação. Foi aqui que a enfermeira Florence desenvolveu a sua importante atividade junto de soldados britânicos, franceses e turcos feridos durante a guerra da Crimeia.

Percebemos que o lado de lá de Istambul é diferente antes de mais porque há poucos turistas nas ruas com um intenso movimento de pessoas que entram e saem das lojas. Mas tal como nas outras zonas de Istambul, os seus habitantes reservam momentos do dia para sós ou acompanhados olharem as águas e os céus que banham e envolvem a cidade. É esta atitude de contemplação que nos questiona. O que é que esses olhares privilegiam? O espelho de água, o movimento intenso das embarcações, as gaivotas, os céus limpos ou enevoados, o perfil do outro lado da cidade? Ou olham para dentro de si mesmos?

Quando voltarmos a Istambul, sentar- nos-emos num banco de qualquer margem, olharemos o horizonte e esperaremos que esse estado nos proporcione a contemplação que a cidade inspira.

Etiquetas: ,

5 Comentários a “Com os pés no lado asiático de Istambul”

  1. Ines Mourao diz:

    Olá,

    grata por partilhar todos estes momentos!
    vou a Istambul 5 dias no inicio de maio, depois de o ler… fiquei com a sensação que não me vão chegar!
    terei que programar muito bem os meus dias para nada perder, sugestões?! ines m

  2. istambul5dias diz:

    A vantagem de lermos experiências de outros sobre um lugar que vamos vistar é ficarmos despertos para realidades que de outro modo nao “veríamos”. Encare esta viagem como a primeira de muitas visitas a Istambul! A cidade merece voltarmos muitas vezes. Boa viagem!

  3. turbolenta diz:

    Descobri o Istambul5dias quando pesquisava informações sobre esta cidade. Já sabia ser uma bela e inolvidável cidade. Mas depois de ler tudo quanto aqui está escrito ainda fiquei mais curiosa em relação a essa próxima visita. Estou a pensar visitá-la mesmo no final de Setembro. Nessa altura do ano os dias serão já demasiado frios ou chuvosos? Não estavamos nada interessadas em que o chapéu de chuva fosse o nosso fiel companheiro.
    Será seguro 2 mulheres irem sózinhas só com hotel marcado ou aconselha a viagem ser feita com acompanhamento de guia e através de agência?
    Agradecemos que nos faculte esta informação. s.f.f.
    Obrigada

  4. istambul5dias diz:

    Setembro é um bom mês, mas convém sempre levar um guarda-chuva. A primavera e o outono sao, sem dúvida, as melhores alturas para se visitar a cidade.
    Quanto a segurança, pensámos que é muito segura a viagem sem guias que acabam por subverter as experiências pessoais. Temos testemunhos de muitas mulheres que viajaram sozinhas sem qualquer problema. Importa definirem um plano para aproveitarem ao máximo a vossa estadia. Há experiências que vale a pena e que nao sao as mais comuns. Neste link, encontrarao algumas dicas sobre um possível roteiro. Já fizemos este programa com três grupos e correu mesmo muito bem: http://www.fotoadrenalina.com/expeditions.aspx?expedition=49
    valerá a pena ler a reportagem que uma jornalista do Público que acompanhou o último grupo. As referências estao no último post do blog.
    Se precisarem de mais alguma informaçao é só dizer!

  5. Mafalda Morais diz:

    Parabéns pela simplicidade com que presenteiam os leitores com a vossa experiência. Aproveito a oportunidade para referir mais uma potencial fonte de informação sobre Istambul, com fotos e opiniões de quem visitou as atrações da região, no site TRIVAGO.

Comentar