Às portas de Istambul ….

Um amigo que conhece bem o nosso gosto por Istambul enviou-nos um poema com o título “Viver Istambul”. Lemos e reconhecemo-nos em tantas imagens registadas nos vinte e sete versos. Não trazia identificada a autoria e, por isso, procurámos pesquisando no Google, inquietando entendidos nas lides poéticas … mas nada! Sabemos que foi publicado numa terça-feira, precisamente a 11 de Agosto de 2009, no blog “Memória do Mundo” que já se calou há muito. Enviámos emails para um endereço que se deve ter perdido em qualquer esquina virtual. Imaginamos que pode ser uma mulher por associação ao nickname Mnemosine e ao tríptico do cabeçalho.

Gostávamos de identificar o/a autor/a e, por isso, este post. Quem sabe se alguém que nos lê sabe de quem são estes versos que tão bem contam Istambul. Não podemos oferecer uma viagem à cidade a quem nos der a informação mas ficaríamos muito gratos!

Aqui fica o poema de um(a) desconhecido(a):

 

Viver Istambul

Às portas de Istambul  ficam

Pensamentos carregados, abandonado

À sua sorte nos sapatos

E o chão, percorrido de tapetes

Por onde passam, a todo o momento

Gatos

Agracia os nossos passos

Os altos minaretes

Indicam a direcção de novos pensamentos

O olhar eleva-se a

Um sereno céu turquesa

E ai fica, reverenciando

As alturas das mesquitas, dos palácios,

Guardiões repousados

Em profunda meditação,

Pressentindo só a silenciosa presença

A brisa delicada do Bósforo

Empoalha de ouro a minha pele

Pelo ar, alecrim e açafrão

Parados

Uns olhos húmidos cativam os meus

Oferecem-se a uma memória

Istambul enche a minha alma de céu

Os meus-teus braços

Erguem-se ao azul

E rodopiam, ora em transes derviches,

Ora em ritmos de harém.

 

3 Comentários a “Às portas de Istambul ….”

  1. Silvia diz:

    Consegui me ver em Istambul com este poema. senti o cheiro e vi novamente as mesquitas, os tapetes, os palácios, Bósforo…Muito lindo o poema

  2. Armindo Ferrao diz:

    -Muito bom.genial!…consentrei- me completamente.Obg

  3. Ao ler este poema senti os meus pés elevarem-se da terra por uns segundos. Muito lindo mesmo, adorava ir a istambul.

Comentar