Entradas com Etiqueta ‘Tapetes’

O tapete voador

Segunda-feira, 11 de Outubro, 2010

Os tapetes turcos estão em todo o lado: nas paredes, a forrar cadeiras e mesas, no chão das lojas, das casas, das mesquitas … Quando o muezzin apela à oração, são muitos os que desenrolam o seu tapete preparando-se para rezar.

Ir a uma loja de tapetes é a oportunidade para ouvir as histórias que os tapetes contam e que se confundem com a História da Turquia. Fomos a um dos muitos lugares aconselhados pelos guias e pelos locais. Subimos dois andares: os passos e as vozes eram abafados pelos tapetes de diferentes cores, tons e padrões que se organizavam em pilhas por todo lado. As paredes estavam cobertas pelas peças mais valiosas. Sentamo-nos no chão a ouvir.

A acompanhar o café que nos foi servido, o dono iniciou a sua performance, desdobrando tapete atrás de tapete.  Cada um tinha a sua história, a sua identidade que se exprimia na forma e conteúdo. De cada um, dizia das urdiduras, tramas, cortes e ataduras, dos diferentes tipos de nós (simples, duplos, simétricos e falsos)… Chamou a atenção para a arquitectura de cada um: os medalhões, as bordas, os cantos, as franjas. Falou das matérias de que são feitos, dos diferentes tipos de tear, das ferramentas, dos corantes que atribuem cores únicas a estas peças. Desocultou direitos e avessos.

Parte do seu discurso erudito escapou-nos, sobretudo quando fazia voar um tapete: bailarino, o tapete rodopiava no ar e aterrava aos nossos pés a uma distância conveniente.

Chegámos ao fim da sessão e não comprámos nenhuma peça, o que não provocou qualquer atitude de desagrado: tínhamos sido bons ouvintes, interessados e atentos. Da primeira ida a Istambul, trouxemos um tapete kilim de lã azul forte e magenta sob um fundo de seda beije que está à entrada da nossa casa. Na geometria dos seus desenhos, estão animais estilizados: o cão, o camelo, o leão, o veado e outros não identificados. Estão lá também escondidos quatro helicópteros e dois tanques, uma referência à guerra Irão-Iraque. As artesãs dissimularam na trama geométrica as suas preocupações infringindo as regras estabelecidas na concepção e fabrico do tapete tradicional. O nosso tapete testemunha que o protesto e a mágoa têm muitas formas de serem ditos.