Entradas com Etiqueta ‘Museu da Inocência’

Um louco amor no museu

Quarta-feira, 16 de Maio, 2012

Finalmente abriu, em Istambul, o Museu da Inocência. Contámos no post de dezembro de 2010 a nossa demanda em busca do que na altura não existia: um museu na rua Çukurcuma, anunciado por Orhan Pamuk no romance de 2008 “O Museu da Inocência”.

Retomemos a história passada entre Maio de 1975 e os últimos anos do século XX, que se conta rapidamente, sem que isso retire qualquer interesse a futuros leitores: Kemal é um jovem empresário filho de uma família abastada, frequenta os meios burgueses de Istambul e está noivo de Sibel, uma turca moderna que conhece bem a Europa. Passa parte do Verão numa casa nas margens do Bósforo (yalis) e com os seus amigos partilha uma admiração pelo modo de viver europeu. Perde-se de amores por uma prima afastada que é empregada de balcão.

Esta paixão obsessiva leva-o a recolher objetos que Fusun tocou ou usou e que ele guarda: beatas (mais de 4 000), travessões, brincos, lenços, sapatos, bilhetes de cinema e de autocarro, copos usados por ela. Com estes objetos decide preservar a sua paixão num museu, o que o leva a visitar 1743 museus do mundo para usar a metodologia mais adequada à sua constituição.

Artefactos expostos no Museu da Inocência / Bulent Kilic (AFP)/El Pais

A inauguração do museu foi sendo sucessivamente adiada, até que, finalmente, há cerca de quinze dias, o museu abriu as suas portas. Nos três andares do edifício vermelho da rua Çukurcuma, podem-se ver, segundo as reportagens dos jornais, milhares de objetos que refletem um tempo de uma cidade e que cumprem o desejo de Pamuk “Quero que o meu museu seja o museu da cidade, que inclua tudo, desde mapas das ruas, a fechaduras, a maçanetas de portas, passando por telefones públicos e o som das sirenes de nevoeiro”. Afinal, “documentos de uma Istambul que já não existe e um olhar poético ao passado da cidade através dos olhos de um apaixonado”, “Quero encher [o museu] modestamente com as coisas que fazem a cidade, que fazem qualquer cidade”.

As 639 páginas do romance são, assim, muito mais do que a história de um amor desmesurado de um homem por uma mulher: são antes de tudo a manifestação do amor por Istambul e o desejo de preservar a memória de uma cidade, de um tempo marcado pela nostalgia, pelo huzun.

O museu já tem um site:

http://www.masumiyetmuzesi.org/W3/Default-ENG.htm que anuncia que se levarmos o livro se cumpre a promessa do autor: na página 626 está um bilhete que dá direito a uma entrada individual no lugar onde parte da memória sentimental de Pamuk reside.

 

Objetos expostos no Museu da Inocência / Tolga Bozoglu (EFE)/ El Pais

 

Fomos à procura do que não existia …

Quarta-feira, 29 de Dezembro, 2010

Foi isso que aconteceu: fomos à procura do que não existia e encontrámos/não encontrámos. Antes de regressarmos a Istambul, lemos o Museu da Inocência de Pamuk. Na página 15 o Nobel da Literatura turco dá-nos todas as indicações para encontrarmos o museu, incluindo um mapa.

O Museu da Inocência (Masumiyet Muzesi) seria um lugar especial que guardaria todos os objectos recolhidos por Kemal, testemunhos da desmedida paixão por Fusun. A história, passada entre Maio de 1975 e os últimos anos do século XX, conta-se rapidamente, sem que isso retire qualquer interesse a futuros leitores: Kemal é um jovem empresário filho de uma família abastada, frequenta os meios burgueses de Istambul e está noivo de Sibel, uma turca moderna que conhece bem a Europa. Passa parte do Verão numa casa nas margens do Bósforo (yalis) e com os seus amigos partilha uma admiração pelo modo de viver europeu. Perde-se – literalmente perde-se – de amores por uma prima afastada que é empregada de balcão.

Esta paixão obsessiva leva-o a recolher objectos que Fusun tocou ou usou e que ele guarda: beatas (mais de 4 000), travessões, brincos, lenços, sapatos, bilhetes de cinema e de autocarro, copos usados por ela. Com estes objectos decide preservar a sua paixão num museu, o que o leva a visitar 1743 museus do mundo para usar a metodologia mais adequada à sua constituição.

Pegámos no mapa e fomos à procura do museu que fora instalado na última residência de Fusun, na zona asiática de Istambul:
“A casa onde a família de Fusun, os Keskins, vivia ficava na esquina da Avenida de Çukurcuma (vulgarmente conhecida por “colina de Çukurcuma”) e da vereda conhecida por “Rua Dalgiç”. Como podem ver pelo mapa, uma caminhada de dez minutos separava as ruas sinuosas e inclinadas daquela zona de Beyoglu e da Avenida Istiklal”. (p. 358).

A descrição do percurso e o mapa incluído no livro levaram-nos facilmente ao local. Passámos pelo Hamman (banhos turcos) por onde Kemal tantas vezes passou para ver Fusun.

Na esquina da Avenida Çukurcuma com a Rua Dalgiç lá estava uma casa vermelha de três pisos que se destacava de todas as outras porque era evidente ter sido recentemente restaurada. A casa parecia vazia à espera do recheio. Em lugar algum havia qualquer sinal que indicasse ser ali o espaço onde Pamuk irá preservar a cidade das últimas décadas do século XX: postais, roupa interior, chávenas e tantos outros objectos de uso diário recolhidos pelo escritor ao longo dos anos.

Nas suas palavras, “Quero que o meu museu seja o museu da cidade, que inclua tudo, desde mapas das ruas, a fechaduras, a maçanetas de portas, passando por telefones públicos e o som das sirenes de nevoeiro”. Afinal, “documentos de uma Istambul que já não existe e um olhar poético ao passado da cidade através dos olhos de um apaixonado”, “Quero encher [o museu] modestamente com as coisas que fazem a cidade, que fazem qualquer cidade”.

As 639 páginas do romance são, assim, muito mais do que a história de um amor desmesurado de um homem por uma mulher: são antes de tudo a manifestação do amor por Istambul e o desejo de preservar a memória de uma cidade, de um tempo marcado pela nostalgia, pelo huzun.

A inauguração do museu está programada para 2011, um lugar entre a ficção e a realidade, um lugar que encontrámos/não encontrámos. Temos de voltar quando o Museu da Inocência abrir e mostrar a página 626 do livro onde está um bilhete que dá direito a uma entrada individual num lugar onde parte da memória sentimental de Pamuk reside.