Na cozinha

Descobrimos a beringela quando estivemos em Istambul há mais de 10 anos. Não se pode esquecer a gastronomia de um país que nos dá a conhecer o legume espelhado de cor e forma únicas. Tal como os portugueses, os turcos gostam de comer e de falar de comida. E muito há a dizer sobre o lugar do iogurte, das beringelas, do borrego e de tantas aromáticas especiarias. Lá chegaremos!

Para apreciar totalmente uma gastronomia não basta desfrutá-la: é preciso saber confeccionar pelo menos alguns dos seus pratos para podermos saborear melhor os seus segredos. Foi este espírito que nos levou a participar no workshop realizado no dia 6 na sede da Associação de Amizade Luso-Turca no Porto.

A orientadora da função culinária é uma jovem turca – Rukyie – que vive em Portugal há quase 6 anos e que com o seu marido gere o restaurante Istambul (Rua Entreparedes, Porto). Propôs-nos cozinhar uma sopa e “borek”de espinafres (o Google Tradutor não sugere tradução para o termo). Comecemos pelos borek que os turcos comem ao pequeno-almoço com chá, como entrada de uma refeição, ao lanche … enfim, todas as alturas são boas para comer borek. Mas passemos à acção.

Prepara-se a massa com farinha, água, sal e fermento de padeiro que repousa meia hora para levedar. Divide-se a massa em bolas que se estendem com um rolo formando círculos que são barrados generosamente com manteiga deixando-se repousar mais 5 minutos.

Prepara-se o recheio com espinafres cortados às tiras, queijo feta desfeito grosseiramente com as mãos e cebola picada. Mistura-se tudo muito bem.

Estende-se a massa num pano tornando-a o mais fina possível e espalha-se o recheio Enrola-se a massa sobre si mesma levantando o pano.

Formam-se espirais e levam-se ao forno num tabuleiro depois de pincelar a superfície com ovo. Retira-se quando a massa estiver dourada e estaladiça.

Gostamos dos borek crocantes com o seu recheio quente e o queijo feta fundido. Cabe experimentar os boreks frios que, no dizer de Rukyie, é a forma mais saborosa de comer estes rolos dourados. Passámos de seguida a confeccionar uma sopa (Tarhana Gorbasi), boa em qualquer época do ano mas especialmente reconfortante em dias de frio. No dia a seguir, fomos almoçar ao restaurante de Rukiye onde experimentámos algumas das especialidades turcas mais apreciadas pelos portugueses.

Segue-se a receita da sopa e algumas informações sobre o restaurante. Bom apetite, que é como quem diz: Afiyet olsun!

Tarhana gorbasi


Põe-se numa panela a aquecer os seguintes ingredientes: margarina, hortelã, pasta de pimentão, polpa de tomate, pimenta preta. Depois de tudo muito bem misturado, juntar água. Deixa-se ferver.
De seguida junta-se uma mistura de grão-de-bico, feijão branco, tomate, pimento, alho, cebola e iogurte natural. Esta mistura pode ser comprada ou confeccionada em casa: na Turquia é feita no Verão para que depois de tudo misturado em pasta, seque ao sol antes de ser passada a pó. Deixa-se ferver durante alguns minutos e rectificando-se os temperos. Serve-se numa tigela podendo-se acrescentar hortelã seca.

O restaurante Istambul passa despercebido na rua Entreparedes mas percebemos que é procurado por clientes fiéis que trabalham na zona ou os que vão saborear alguns dos pratos mais do agrado do paladar português.  Na base dos pratos de carne estão as laminas de vitela e frango que são cozinhadas lentamente no “donner”.

Há pratos vegetarianos e pizza turca sempre acompanhados com o molho de iogurte. Quem tiver saudades das backlava encontra-as lá com o brilho do costume.

Etiquetas: ,

3 Comentários a “Na cozinha”

  1. angelina diz:

    Uhmmm! Deve ser verdadeira/ delicioso! Vou atrever-me a confecioná-los!

  2. carvalho diz:

    …uhummm fiquei com água na boca!vou de certeza ao Istambul provar estas iguarias!

  3. berta nunes diz:

    parece muito bom e gostava de experimentar
    Onde é a rua entreparedes no porto?
    Berta Nunes

Comentar