A espera no Grande Bazar

Um gato a dormir enroscado sobre si mesmo é uma imagem serena e apaziguadora. Quem tem gatos sabe do que falamos: quietos, redondos e macios, são um convite à serenidade. A sua quietude, sublinhada pelo vaivém da respiração leve, é o sinal do seu bem-estar e do lugar em volta.

Quando entrámos no Grande Bazar esperávamos um lugar agitado, barulhento, com intensos convites à compra. Dobrada a primeira esquina, vimos o primeiro de muitos gatos a dormir confortável sob a luz de ouros cintilantes.

Guiados pela imagem do gato amarelo adormecido, percorremos o Grande Bazar durante horas. Não sabemos o que não vimos porque decidimos perder-nos naquele mercado coberto com mais de 500 anos. Passámos, de certeza, diante de dezenas e dezenas de lojas organizadas por produtos, mas o Bazar tem mais de 3000 lugares onde mais de 20 000 pessoas vendem quase tudo. Ficou quase tudo por ver!

Retivemos as cores, claro, espreitámos de vez em quando as abóbadas e fixámos alguns olhares nos azulejos, recusámos contidos convites à compra., resistimos à curiosidade de explorar as tendas. Confessámos que os nossos olhares estavam contaminados – aliás, como todos os olhares – e fixámos cenas de quietude, de espera. A ler o jornal, a organizar a mercadoria já organizada, ou simplesmente parados, os vendedores estavam à espera.

Reconhecíamos em alguns o huzun, a melancolia de que Pamuk falava sobre a cidade. Foi a procura dessa melancolia que nos guiou no bazar e que nos levou a experimentar uma tranquilidade inesperada.

Este é o verdadeiro Grande Bazar? Desconfiamos que não. Voltaremos, em Dezembro, a Istambul à procura dos muitos bazares que o Grande Bazar tem.

Etiquetas:

4 Comentários a “A espera no Grande Bazar”

  1. Maria Gabriela Brito diz:

    No Grande Bazar encontra-se essa quitetude! essa espera… este também é o Grande Bazar!!!

    Uma vez, andava pelas ruas do Grande Bazar e ao virar numa esquina que na levava a uma das “ruas” principais, dei de caras com um momento de reza! era 6ª feira (dia Santo) e era a reza do meio dia. Estavam centenas de pessoas que rezavam!! ali virados para Meca, na Rua do Bazar. Tinham “fechado” a suas lojas com panos!!! foi uma sensação nunca sentida! náo existem palavras para descrever a atmosfera daquela lugar!!! sempre que vou a Istambul procuro estar à 6ª feira ao meio dia no Grande Bazar! já assisti a missas na Mesquita Azul, e nada se compara…

    O Grande Bazar é para nos perdermos! e quando dá o cansaço, aproveitamos para sentar num belo dos cafés do Grande Bazar e disfrutamos de todo o Mundo que por ali passa e os gatos…!! é a História que passa… e espera-se…

    abraços
    gb

  2. istambul5dias diz:

    Obrigada pela sugestão a aproveitar na próxima ida a Istambul!

  3. Tenho a sorte de poder dizer que durante meio ano pude ir quase todos os fins de semana ao grande bazar… e sempre que la ia, por encrivel que pareça encontrava sempre um corredor novo… eu amo a Turquia e em especial Istambul…
    Tenho centenas de fotos dos gatos de Istambul, e sabe tao bem ver o carinho como eles la sao tratados.
    TENHO SAUDADES… Sinto muita falta da Istiklal, de Taksim…

  4. helena nunes diz:

    manuela, aceitando a tua sugestão via fb gostei muito de espreitar este blog e ler algumas passagens numa escrita simples e cheia de poesia. visitarei mais vezes este blog. abriu-me o apetite para uma ida a istambul que não conheço mas está pensada há algum tempo. estive em agosto na jordânia e síria e um dos sítios que me cativou profundamente foi o souk de aleppo. uma perdição dos sentidos numa atmosfera única.

Comentar