Arquivo do mês de Setembro, 2011

As janelas de Istambul 2

Domingo, 25 de Setembro, 2011

 

Em Istambul, como em todas as cidades, há janelas anónimas e janelas famosas…

Janela do restaurante Expresso do Oriente na estação Sirkeci

 

Janela do Café Pierre Loti

 

Janela do restaurante do Museu Istambul Modern

 

Janela do “Museu da Inocência”

 

As janelas de Istambul 1

Quarta-feira, 14 de Setembro, 2011

Há muitas janelas nos edifícios em Istambul o que nos causa relativa surpresa.  Geralmente, é nos países do Norte que há mais janelas para se aproveitar a luz do sol que escasseia. Aqui, as paredes estão literalmente interrompidas pelas pequenas portas que são as janelas (januellam, diminutivo de janua/porta).

Estas interrupções das fachadas dos edifícios dizem muito sobre um lugar: o seu formato e tamanho, os motivos decorativos, os vasos de flores, os estendais, as cortinas. E há as janelas com estilo e as outras, há janelas famosas e janelas anónimas. Nas janelas as pessoas sacodem roupa, estendem panos ou estão simplesmente a olhar quem passa. Mas as janelas são também dos gatos que nos parapeitos dormem, descansam ou vigiam a rua.

Propomos que nos próximos posts se ponham à janela das janelas de Istambul!

Vamos a Istambul?

Sexta-feira, 2 de Setembro, 2011

Desde que iniciamos este blog sobre Istambul, repetem-se os pedidos de sugestões para visitar a cidade. Um amigo, que para além de fotógrafo organiza expedições fotográficas a várias partes do mundo (Fotoadrenalina), lançou-nos o desafio: desenhar um itinerário que permitisse conhecer o que é essencial numa primeira visita a Istambul. Partilhamos neste espaço o essencial do programa que se concretizará de 1 a 6 de Novembro e que pode ser útil a qualquer leitor que em qualquer altura do ano decida ir a Istambul.

Deambulando …

Sugerimos a escolha de um dos muitos hotéis em Sultanhamet que são geralmente edifícios otomanos reconstruídos. Têm várias vantagens: ficam perto de espaços de visita obrigatória – Mesquita Azul, Hagia Sophia , Hipódromo – a alguns minutos das margens do Mar da Marmara, da ponte Galata, etc. Começar a exploração cidade pela vizinhança do hotel é sugestão de bom senso. Fica também na zona a Cisterna Yerabatan, também conhecida por Palácio Subterrâneo que espanta os nossos olhos na sua obscuridade e beleza.

Atravessar a ponte Galata vale por si para observar e fotografar os pescadores que obsessivamente pescam dia e noite, o movimento dos barcos no Bósforo, o horizonte da cidade das duas bandas.

O Grande Palácio Topkapi, o mais fascinante monumento de arquitectura civil otomana, faz parte do roteiro clássico: fazer o mesmo percurso dos sultões e da sua corte e compreenderemos melhor o modo de vida da cidade de então é um desafio.

Os cemitérios de Istambul serão também lugares de visita por serem espaços de forte manifestação estética e por proporcionarem boas sugestões fotográficas.  Sobrevoar de teleférico a “colina dos mortos” conduz-nos ao café de Pierre Loti onde com um chá de menta se pode recordar o francês apaixonado pela cidade e usufruir uma das melhores vistas de Istambul. Sugere-se a descida a pé por áleas ladeadas de ciprestes e no sopé percorrer as zonas públicas do complexo religioso da Mesquita Eyup, que é considerado depois de Meca e de Jerusalém o lugar mais sagrado da religião islâmica.

Ao entardecer

A Torre Galata domina uma das colinas de Istambul e permite uma visão de 360º da cidade. è uma experiência a não perder, subir ao seu topo ao fim de tarde para se usufruir das cores do entardecer e do chamamento dos muezzin à oração que ecoa das dezenas de mesquitas. É nesta zona que começa a célebre avenida Istiklal, cheia de vida e onde lojas de grandes marcas e do comércio tradicional convivem harmoniosamente. Livrarias de referência, galerias de arte, cafés e restaurantes fazem de uma via só para peões, atravessada diariamente por milhares e milhares de pessoas um lugar único.

Bazares

O comércio é a actividade central de Istambul e vende-se tudo em todos os lugares, mas os bazares são os seus espaços de excelência. O Grande Bazar, o Bazar das Especiarias merecem que nos percamos pelas suas ruas cobertas onde as mercadorias, as pessoas e a arquitectura constituem um mundo de propostas para compras e fotografias. Na zona da Mesquita Azul, vale a pena percorrer o Arasta Bazar, o único bazar descoberto de Istambul e aí, também fazer uma visita ao Museu do Mosaico que apesar de pequeno celebra a vida nos puzzles de pequenas pedras coloridas.

Experiências exclusivas

Sugerimos duas experiências que só podem ser usufruídas com plenitude nesta cidade: assistir à exibição dos dervishes num dos espaços de referência e experimentar o autêntico banho turco no hamam Cemberlitas um verdadeiro monumento da autoria do arquitecto Sinan. No hamam está fora de questão a fotografia mas a experiência fica de certeza registada para sempre nas nossas memórias!

Experiências gastronómicas

A gastronomia turca pertence à grande família da cozinha mediterrânica em que dominam os vegetais cozinhados das mais diversas maneiras, as saladas e os célebres meze – entradas variadas que constituem uma verdadeira refeição. O kebab está disponível em pequenos restaurantes e é uma boa solução para um almoço rápido e equilibrado. Irresistíveis são os sumos de laranja e de romã feitos na hora nas várias bancas de rua, bem como o pão – simit – polvilhado com sementes de sésamo e que se vende em pequenos carrinhos de toldos às riscas vermelhas e brancas. Quanto aos doces – baclava e lokum – estão por todo o lado, mas justifica-se uma peregrinação à afamada confeitaria na Avenida Istiklal. O café turco, e os deliciosos chás de romã e maçã são bons acompanhantes destes doces, mas valem por si!

Navegando no Mar de Marmara

Viajar num ferry é uma experiência indispensável para se fotografar o perfil da cidade, os diferentes pontos de embarque, as gaivotas que acompanham as embarcações e os vapur que atravessam o Bósforo. Vale a pena apanhar um ferry para entrar na zona asiática da cidade, em Kadikoy, e explorar as ruas estreitas. É de aproveitar a oportunidade para almoçar num dos restaurantes de um dos mais afamados chefes de cozinha do mundo, o turco Musa Dagdeverin.

Para além de tudo …

Há muito, muito que ver em Istambul: ao virar de uma esquina encontramos uma fonte de mármore desactivada (e tantas vezes maltratada), edifícios clássicos com as janelas decoradas com florões, atentamos em pormenores simples como uma torneira ou um marco carregados de História numa cidade que convive com um passado que não está (ainda!) museificado.

Mas talvez o maior estímulo na visita a Istambul seja partilhar o quotidiano dos seus habitantes nas ruas, nos mercados, nos ferries, nos passeios calmos nas margens do Bósforo, nos pátios das mesquitas …

Boa viagem!