Arquivo do mês de Janeiro, 2010

A escola

Domingo, 10 de Janeiro, 2010


Passávamos todos os dias por uma escola, geralmente silenciosa com os alunos em aulas. Um dia ouvimos surpreendidos o toque de saída: em vez da campainha trim-trimmmmm, algumas notas da peça “Para Elisa” de Beethoven. Som a lembrar um toque de telemóvel, mas apesar de tudo, Beethoven.

Descida até ao mar de Mármara

Domingo, 10 de Janeiro, 2010

O mar de Mármara fica a dez minutos a pé do hotel. Caminhávamos nas ruas de pedra em declive, molhadas, a exigir cautelas. Esse percurso oferecia encontros mais ou menos  inesperados: os restos de um cemitério num gaveto, pescadores com canas ao ombro, mercearias com as frutas à porta, barbearias, cafés … Nas zonas mais íngremes, os miúdos desciam velozmente  sentados em skates a lembrar os carrinhos de rolamentos. Pela porta das ruínas de uma muralha entrevíamos a luz do Mar de Mármara.  Estávamos quase lá!

(mais…)

O Hotel Tashkonak İstanbul

Segunda-feira, 4 de Janeiro, 2010


O hotel onde se fica é uma parte importante da cidade e do modo como a vivemos: o sítio, as pessoas, o pequeno almoço, os pequenos pormenores e o que se oferece à vista. O Hotel Tashkonak fica na zona velha da cidade, nas traseiras da Mesquita Azul, a poucos minutos do mar de Mármara (ver mapa). É uma antiga casa otomana do século XIX, em madeira, que foi restaurada e transformada em hotel. Na zona, estas casas – konaks – ou estão em ruínas devido aos incêndios ou ao abandono ou foram recuperadas para o turismo.

Da janela do nosso quarto víamos os minaretes da Mesquita Azul e o pequeno jardim do rés-do-chão. Mas era o terraço e a sala do pequeno almoço que em qualquer hora do dia ofereciam o privilégio de deslizar o olhar até ao outro lado da cidade atravessando o mar de Mármara.

(mais…)

Ao pequeno almoço

Sexta-feira, 1 de Janeiro, 2010

O dia começa com o pequeno almoço no terrace do Tashkonak Hotel . As janelas abrem-se para o mar de Marmara e para os telhados de Sultanahmet. Enchemos os pratos com queijo, pão, tomate e pepino porque não queremos perder tempo: à nossa frente tudo muda muito depressa!

O desenho das nuvens modifica a luz que transforma os espelhos no mar, o perfil dos barcos, a cor das casas do lado asiático de Istambul. Os vidros das janelas misturam mar, minaretes de mesquitas, sombras de gaivotas, árvores, céus …

A fotografia  começa ali, na sala do pequeno almoço, bem cedo pela manhã.

(mais…)