Entradas com Etiqueta ‘Cemitérios’

À noite, no cemitério

Segunda-feira, 11 de Julho, 2011

Os cemitérios são sítios muito especiais mas os de Istambul ainda são mais especiais! (ver post sobre o tema AQUI)

Numa noite, de regresso ao hotel pela rua Divan Yolu reparámos que os portões de entrada do cemitério estavam abertos. Subimos as escadas e preparávamo-nos para tirar uma furtiva fotografia quando percebemos que várias pessoas passeavam lá dentro. Entrámos e na noite morna fizemos o mesmo que os outros: deambulámos entre os túmulos e as árvores.

O ambiente marcado pelo efeito da cor amarelada das luzes nos mármores e das sombras das folhas nas paredes e nas colunas impressionou-nos. Partilhamos aqui o passeio de uma noite, num cemitério em Istambul.

Cemitérios

Segunda-feira, 22 de Novembro, 2010

Confessamos que gostamos de cemitérios. Mesmo antes de serem descobertos como espaços a explorar do ponto de vista turístico, visitámos cemitérios porque são lugares onde se manifesta a cultura de um povo, onde se compreende a relação entre os vivos e os mortos e onde a arte e a natureza se misturam de uma forma muito particular.

São quatro os cemitérios que mais nos marcaram: Père-Lachaise (para muitos, o lugar mais romântico de Paris), o cemitério de Cólon em Havana (com uma monumental estatuária), o cemitério de Swokopmund  na Namíbia (onde o apartheid se mantém após a morte) e o cemitério de Eyüp em Istambul. Deixamos para um outro post a visita a este lugar. O que nos marcou em Istambul foi a forma como os vivos convivem nos cemitérios no centro da cidade. É disso que vamos falar.

Um cemitério turco é uma floresta de colunas de mármore branco de diferentes alturas. Em princípio o tamanho da coluna corresponde ao tamanho real do morto ainda que haja excepções: o estatuto social elevado pode elevar o tamanho da coluna atingindo, no caso de alguns sultões, dimensões não humanas. As colunas que terminam num turbante sinalizam um túmulo masculino; os florões estão reservados às mulheres. Das inscrições incompreensíveis gravadas no mármore só retiramos o efeito estético. Passeámos sem reservas por entre a floresta de túmulos e árvores usufruindo do efeito da mistura das formas e das cores branco e verde.

Mas há muito mais: quando há 12 anos visitámos pela primeira vez a cidade, tivemos uma experiência que nos espantou no sentido literal do termo: em pleno cemitério havia uma casa de chá com uma agradável esplanada. Sentamo-nos numa mesa entre turcos que cavaqueavam vidas (achámos nós!) e pedimos um café e um chá de menta.

Renovámos esta experiência que nos trouxe de novo o sentimento único da relação entre viver e morrer. De facto, nunca convivemos desta maneira num lugar onde, geralmente, domina apenas o silêncio e o recolhimento. Não seria preciso mais para estes cemitérios nos marcarem. Por isso, voltaremos a trazer aqui estes lugares.